Sem título.

outubro 25, 2013

Hoje me deu vontade de dizer tudo o que eu penso:

Eu realmente te amei. Amei?

Ai o amor, ele nos enlouquece, em todos os sentidos, mas não vou coloca-lo no negativo, apenas no fator loucura.

É bom. Não, é ruim. Não, alias, é amor.

É isso: intenso, doído, gostoso, louco.

O amor que ainda me faz te amar. Mais, e mais… não dá, desisto, é isso, acho que desisto. Acordo todos os dias e penso em todas as noites que não dormi porque você não estava aqui. E é difícil, não só acordar, como terminar os dias…

Eu sei, sei muito bem: erramos.

Sei também que tentamos. Alias, poderia passar a minha vida inteira tentando, e tentando… de todas as maneiras. Não ligaria.

Pra falar a verdade, sempre gostei das partes em que a gente deitava, olhava um pro outro e fazíamos as pazes devagar. Sinto falta disso.

Sinto falta do teu péssimo humor.

Péssimo humor que eu sempre implorava pra você melhorar, e hoje, somente hoje, percebo como ele me faz falta. Nao só falta… me faz sentir tudo. Tudo o que eu sempre temi a minha vida inteira.

Sabe, hoje é como se eu tivesse tendo que matar um zoológico por dia, sem espada, sem nada… só com o peito.

Deixando o lado poético de lado, vou confessar que é uma droga. É uma droga ficar sem você. E é uma droga também saber que tudo isso que eu disse, você provavelmente sente por outra pessoa; Mas hoje, somente hoje, eu queria poder olhar nos seus olhos e dizer mais uma vez que eu te amo, porque… eu te amo. E não, eu não tô bêbado, eu tô com saudade.

Obs: relato feito por mim, pra uma pessoa que já existiu.

Anúncios

Meus olhos precisam olhar os seus.

outubro 20, 2013

Olhos negros. Verdes. Vermelhos. Azuis.

Olhos tristes, alegres, felizes.

Olhos diferentes.

Olhos estranhos.

Olhos transparentes, falantes.

Olhos feios.

Olhos bonitos.

Olhos grandes, pequenos, ausentes.

Olhos que dizem “vem cá”.

Olhos que dizem.

Olhos que pedem “não vá”.

Olhos que pedem.

Olhos que perguntam “cadê seus olhos?”.

Olhos.

Cabelos? Pernas? Ombros? Olhos.

Olhos esquecidos.

Olhos que precisam esquecer.

Olhos que precisam enxergar.

Olhos que precisam enxergar olhos.

Olhares, sabores, amores…

Olhos.

Tantos, tantos olhos…

Pertos e distantes.

Esquisitos, lindos ou instigantes.

Mas não vejo os seus.

Castaño.

outubro 17, 2013
Porque me miras, si no sabés a dónde ir?
 
Porque me miras, si  no sabés a dónde quieres llegar?
 
Porque me miras, si no sabés si me quieres llevar?
 
Porque me miras, si no me quieres abrazar?
 
Porque me miras y desvías tu mirada?
 
Porque me miras, y solo me miras?
 
Porque me miras, y no, no…
 
Para.. no me mires
 
Sí. No.
 
Yo te pido, que no me mires más.
 
Porque me gustan tus ojos.
 
Pero yo también te pido. Que sí me miras, me quites a bailar…

 

Segunda-feira de Outubro.

outubro 8, 2013

Hoje eu acordei, e deixei meu celular chamar.

Hoje eu acordei, e fiz apenas uma xícara de chocolate, e puxei apenas uma cadeira.

Hoje eu acordei, coloquei nossa música favorita e dancei, dancei, dancei…

Sim… Hoje eu acordei… E pensei mais uma vez em tudo o que eu prometi na noite passada que iria tentar esquecer.

Hoje eu acordei, e vi você, suas fotos, nossas fotos, e pensei em rasgar. Pensei.

Hoje… Hoje eu acordei, e fiz a nossa pipoca que você sempre colocava tanto, mas tanto sal. E sentei. E pensei, pensei e pensei…

Hoje eu acordei, coloquei na tua rádio favorita, mas você não ouviu. E você nem vai saber (você não sabe de muita coisa).

Hoje eu acordei, e acendi aquele cigarro que você sempre dizia “ele ou eu” (como o destino é embaraçoso… no final, quem sempre fez a escolha foi você…).

Hoje eu acordei, e joguei fora todos teus morangos.

Hoje eu acordei. Queimei tuas cartas, tuas roupas, tuas toalhas, teus lençóis.

Hoje eu acordei, mesmo tentando não acordar.

Droga! Hoje eu acordei.

E você… Você.

Misturei meu café com tudo o que eu achei que fosse bom.

setembro 16, 2013

Com o tempo você aprende a valorizar quem valoriza você. Aprende a se importar menos, a pensar menos, a tropeçar menos. Aprende que a maioria das pessoas que estão contigo são falsas e querem te atrapalhar. Aprende que o amor não se vê, se sente.

Com o tempo você aprende a andar por aí, sem saber por onde anda, mas sabendo aonde você quer chegar. Aprende a esquecer quem te esquece (convenhamos, quase todos). Aprende a sentir de acordo com o que você pode suportar. Aprende que a vida é curta, e que – você querendo ou não – ela vai curtir com a sua cara. E aprende também que as pessoas mudam, inclusive você, mas aconteça o que acontecer, existe ao menos uma pessoa que se importa com a tua mudança.

Continuação.

agosto 22, 2013

Vamos nos abraçar, esquecer, deixar pra lá.

Vamos fazer besteira, vamos beber besteira, mas não vamos pensar besteira.

Vamos olhar um para o outro e não mais desviar o olhar.

Vamos colorir as manhãs, mas não escurecer junto com as noites.

Vamos trocar nosso número de celular, e nossos problemas.

Vamos junta-los. Resolve-los.

Vamos nos resolver.

Vamos recomeçar, reagir, renascer.

Vamos enxergar.

Vamos mudar.

Vamos seguir.

Vamos ser.

Vamos?

Sábado.

maio 5, 2013

É quando você fecha os olhos e abre a mente que a maioria dos problemas começam a surgir. Hoje, por exemplo, até 00:15  estava tudo ótimo, onde eu estava até fazendo planos pra sair e me desocupar… Até que a confirmação de ficar em casa ouvindo a minha música predileta (que também, por muitas vezes – coincidentemente – foi a sua) mudou o destino da noite. Aí você pára, pensa, e complica.

“Eu não aguento mais pensar.”

Eu queria voltar a época em que tudo parecia ser mais fácil, a época em que eu não preferia o preto e branco em fotos… A época em que o amor parecia ser tão fácil de lidar, como aquele truque de cartas do baralho, entre o valete e a dama de copas.

Hoje eu acordei. Não vou dormir.

Quando não esperar, vai doer.”

Tô aqui, sem planos, sem força, sem coragem, sem vontade de acreditar na verdade que por muitas vezes eu disse e gritei pra mim mesmo que eram meras mentiras…

E uma dessas poucas verdades é que todo esse tempo eu fui tentando viver a vida de um jeito em que eu possa dizer “cara, tô começando a ser feliz”, e não consigo ultrapassar essa fase.

Tá, agora é a hora que você diz “- vai dar tudo certo no final…”, mas o problema é justamente esse: O final.

A gente até engana os outros de que é feliz, mas por dentro a solidão só aumenta. Estar com alguém errado é lembrar em dobro a falta que faz alguém certo.

Poucos entendem.

abril 27, 2013

Eu queria entender porque todas essas notícias sobre alienígenas ainda mexem comigo. Eu queria entender porque tudo relacionado à dinossauro ainda mexe comigo. Eu queria entender porque todo domingo de manhã aqueles morangos da feira ainda mexem comigo. Eu queria entender porque todo esse tempo eu dei valor a coisas que não valem a mínima. Eu queria entender porque eu ainda sou tão assim… Nada. Sim, eu queria entender. Eu queria entender o porquê de eu ainda estar aqui, nesse sofá, sentado, parado, escrevendo e pensando no que eu poderia ter feito e não feito. No que poderia ter acontecido. No que poderia estar acontecendo… Queria entender porque todas as minhas memórias ainda estão assíduas em minha alma. Eu queria entender muita coisa, e na verdade eu já cansei de muita coisa também, e depois de todo esse tempo, e de todos esses anos, eu só fui capaz de entender uma coisa: eu não entendo mais nada.

Reticências.

abril 4, 2013

Tantas foram as vezes em que corremos por aí, mas à nenhum final chegamos. Tropeçamos, caímos e poucas vezes levantamos. Eu sei que você acha que eu não entendo as mesmas coisas como você, mas eu entendo. Hoje eu te odeio, mas sempre “amanhã” eu sentirei uma vontade de morrer apenas por ti…

Troco um “interrogação” por um ponto final.

janeiro 10, 2013

E se pudéssemos voltar atrás e refazer o que fizemos esse tempo todo?

E se fosse possível esquecer?

E se as pessoas não ligassem tanto?

E se eu não ligasse tanto?

E se você pudesse me ligar?

E se meu telefone estiver ocupado?

E se as minhas mensagens chegassem até você?

E se você me respondesse?

E se as respostas fossem perguntas?

E se as perguntas fossem algum tipo de resposta?

E se eu pudesse te abraçar e não te soltar mais?

E se você segurasse a minha mão pra sempre?

E se pudéssemos trocar o “ontem” pelo “agora”?

E se o mundo fosse feito de morango?

E se o morango continuasse sendo a tua fruta predileta?

E se a tua música predileta tocasse na rádio?

E se a rádio tocasse a minha voz?

E se tocasse o teu sorriso?

E se você voltasse ao invés de ir embora?

E se você dissesse “olá, cheguei”, ao invés de “tchau, tô indo”?

E se as frases fossem textos?

E se os textos me aproximassem de você?

E se você gostasse que eu chegasse perto?

E se o “perto” fosse real?

E se a realidade trocasse de lugar com nossos sonhos?

E se o teu sonho fosse voar?

E se você pudesse voar?

Voaria pra cá?