Eu só queria que você soubesse que eu queria ainda mais.

Você vêm.

Sei lá, toda noite. Todo dia… De alguma forma você vêm. Seja dentro de uma carta, ou de um E-mail. Ou algum pensamento privado. Você sempre vêm.

Sempre!

Chegaria a ser engraçado, se não fosse trágico.

Aliás, seria trágico, se não fosse de alguma forma gostoso. E seria gostoso se não causasse dor.

Mas… Querendo ou não – eu sempre quero – você vêm.

Passa por mim, me esbarra na rua, me olha meia boca… Desvia o olhar. Finge que não vê, finge que não percebeu, finge que odeia, finge que gosta. Diz que sim, que não, que “sei lá”. Faz caras e bocas, mas faz. E… você vêm. Da mesma forma, com os mesmos passos, ou talvez, sei lá, com o mesmo perfume – eu já não sinto mais ele.

Você sempre vêm. Sempre. Quando eu quero esquecer, você vêm. Me tira o ar, e as palavras. Me faz achar que eu já não acho mais nada – eu nunca sempre acho.

De vez em quando eu não quero mais isso, mas aí eu percebo que é o que eu sempre quero.

Vêm! Eu tô indo…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: